Agenda cultural

Setembro 2018
D S
1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30

Licitações e Editais

logo FCC negativo

Galeria de Fotos

BIR 7779

Vídeos

vainer

 

FOTO 1 ORQUESTRA. SALA CECLIA MEIRELES

O próximo concerto da Orquestra Sinfônica da UFRJ (OSUFRJ), regida por André Cardoso, será no dia 16 de março, às 20h, na Sala Cecília Meireles. A apresentação é em homenagem ao catarinense Edino Krieger e conta com o acompanhamento do Coro Brasil Ensemble, também da universidade, sob regência de Maria José Chevitarese.

​Edino Krieger é um dos principais nomes da criação musical brasileira. Ele se destaca como compositor, crítico musical e produtor cultural. Entre seus trabalhos constam composições para orquestra sinfônica e de câmara, oratório, música de câmara, obras para coro e para vozes e instrumentos solistas, além de partituras incidentais para teatro e cinema.

O artista se mudou para o Rio de Janeiro aos 15 anos para dar continuidade à sua formação no Conservatório Brasileiro de Música. Em 1945, passou a integrar o Grupo Música Viva. Estudou nos Estados Unidos e se tornou violinista da Mozart Orchestra de Nova Iorque. Em 1950, iniciou a atividade de produtor na Rádio Ministério da Educação, onde exerceu foi diretor musical e organizou a Orquestra Sinfônica Nacional. Também atuou como crítico musical do jornal Tribuna da Imprensa. Continuou seus estudos em Londres e se apresentou em importantes festivais pelo mundo, além de dirigir e organizar festivais de música brasileira.

Entre prêmios e vitórias em concursos importantes, dirigiu a divisão de música clássica da Rádio Jornal do Brasil e exerceu a crítica musical no Jornal do Brasil. Em 1976, assumiu a direção artística da Fundação de Teatros do Rio de Janeiro (FUNTERJ). Em 1979, criou o projeto Memória Musical Brasileira/PRO-MEMUS, junto ao Instituto Nacional de Artes Fundação Nacional de Arte (FUNARTE), do Ministério da Cultura. De 1981 a 1989, foi diretor do Instituto Nacional de Música. Em seguida, se tornou presidente da FUNARTE, da Fundação Museu da Imagem e do Som do Rio de Janeiro e da Academia Brasileira de Música.

A Orquestra Sinfônica da UFRJ (OSUFRJ) tem o compromisso de valorização da música brasileira. Frequentemente, realiza concertos em homenagem a grandes nomes da cultura musical do país. Suas funções acadêmicas visam o treinamento e a formação de novos profissionais de orquestra, solistas e regentes. Tem gravado em sua história a execução de mais de uma centena de obras em estreia mundial.

A OSUFRJ é a mais antiga orquestra do Rio de Janeiro, fundada em 1924. Teve regentes como os compositores Francisco Mignone, Oscar Lorenzo Fernandez e José Siqueira. As óperas passaram a fazer parte da temporada anual de concertos a partir de 1949. Em 1969, o maestro Raphael Baptista foi nomeado seu regente titular. Em 1979, foi sucedido pelo maestro Roberto Duarte, que esteve à frente do conjunto por mais de quinze anos. Desde 1998, está sob a direção artística dos maestros André Cardoso e Ernani Aguiar. Em 1997, realizou a gravação integral do Colombo, de Carlos Gomes (1836-1896), que mereceu dois importantes prêmios: Prêmio APCA (Associação Paulista dos Críticos de Arte) de “Melhor CD de 1998” e Prêmio Sharp 1998 de “Melhor CD” na categoria Música Erudita.

FOTO 4. CORAL BRASIL ENSEMBLE

O Coro Brasil Ensemble foi criado em 1999 para promover a produção e difusão da música coral brasileira com a realização de espetáculos gratuitos. Já foram produzidos concertos, óperas infantis e gravações de CDs e DVDs. Essas iniciativas contribuem com a formação artística, cultural, profissional e cidadã de estudantes da UFRJ. O grupo é formado por 35 cantores que são, em maioria, alunos de Licenciatura e Bacharelado em Música.

O projeto do Coro integra unidades da universidade e articula ensino, pesquisa e extensão. O diálogo ocorre com discentes, docentes e funcionários da Escola de Música que atuam como regentes, compositores, cantores e instrumentistas. Em determinados espetáculos, a Escola de Comunicação contribui com a direção teatral e iluminação das apresentações. E a Escola de Belas Artes participa da produção de cenografia e figurino, além de aplicar técnicas de visagismo, a arte de criar uma imagem pessoal de acordo com as características físicas de cada pessoa.

Programa

Divertimento para cordas

Concerto para 2 violões e cordas

Três Cantos de Amor e Paz, para coro e orquestra de cordas

A Sala Cecília Meireles fica no Largo da Lapa, 47, Lapa.

Ingressos: (21) 2332-9223

Acompanhe as informações sobre o evento:

https://www.facebook.com/events/282759362259654/

Clécia Oliveira

UFRJ Fórum de Ciência e Cultura da UFRJ
Desenvolvido por: TIC/UFRJ