guerra-e-pazAgência Estado
Os painéis de Portinari "Guerra e Paz" durante a restauração no Rio

Entre os questionamentos, estiveram o papel da arte no desenvolvimento nacional, o acesso da população brasileira à arte, o papel da Ciência em relação à guerra e a conscientização do uso do conhecimento em benefício da humanidade.

A obra, encomendada pelo governo brasileiro para ser doada à ONU em 1957, foi lembrada em comemoração ao Dia Mundial da Ciência pela Paz e pelo Desenvolvimento. Foram mostrados vídeos e fotos dos processos de concepção, produção, montagem e desmontagem dos painéis, intercalados a depoimentos emocionados do professor João Candido. Um deles foi quando descreveu o momento que o então presidente na época, Luís Inácio Lula da Silva, elogiou a obra na Abertura da Assembleia Geral da ONU, ocorrida em 2007, ano em que Guerra e Paz completou 50 anos. João Cândido forneceu detalhes sobre o processo de negociação e retirada dos painéis para exposição no Brasil, além do restauro, exigido pela ONU como condição do empréstimo, e da nova montagem com base nos vídeos da primeira instalação.

A passagem pelo Rio de Janeiro, em dezembro de 2010, fez com que o público ficasse em filas enormes para vê-la. No ano seguinte, outra oportunidade de contato com os painéis foi o ateliê aberto de restauração. Logo depois de concluído o processo, Guerra e Paz seguiu para exposição em São Paulo.

Os próximos destinos da obra em 2013 serão Brasília (DF) no primeiro semestre e Belo Horizonte (MG) no segundo. Depois, haverá itinerância internacional em cidades como Oslo (Noruega), com inauguração no dia da entrega do Prêmio Nobel da Paz. A devolução à sede da ONU em Nova Iorque está prevista para 2014.

Mais informações sobre o assunto podem ser vistas neste vídeo.

UFRJ Fórum de Ciência e Cultura da UFRJ
Desenvolvido por: TIC/UFRJ